Líderes da oposição no estado passaram a considerar como prioridade a inclusão de uma mulher na chapa majoritária de Zé Ronaldo (DEM) ao governo do estado. A definição saiu após a exclusão da senadora Lídice da Mata (PSB) da chapa do governador Rui Costa (PT), que optou pelo deputado Angelo Coronel (PSD).

O principal nome cotado é o da ex-secretária de Políticas para as Mulheres de Salvador Taíssa Gama (PTB), filha do deputado federal Benito Gama, presidente estadual do partido. Taíssa já era especulada, mas, após o caso de Lídice, passou a ser considerada com maior ênfase.

A questão é que alguns oposicionistas acreditam que Taíssa não agrega tanto à chapa. A indicação seria muito mais partidária do que por militância dela no direito para o público feminino. Outro nome considerado é da vereadora Ireuda Silva (PRB), queridinha da deputada Tia Eron (PRB).

A exclusão de Lídice da chapa gerou revolta na militância do PT e de partidos da esquerda que integram a base governista. Com a estratégia de colocar uma mulher na chapa, os oposicionistas querem atrair os votos dos descontentes com a medida.