O canteiro de obras do BRT de Salvador, instalado na Avenida Juracy Magalhães Jr., está ocupado desde as 8h da manhã, por um grupo de cerca de 30 pessoas que protestam contra a implantação do novo modal de transporte na capital baiana. Eles querem a paralisação imediata das obras para que sejam discutidas soluções alternativas para a mobilidade urbana de Salvador.

Os organizadores do “Movimento Não ao BRT”,  pretendem permanecer ocupando o local, na região do Parque da Cidade, durante todo o dia. Estão programadas atividades com o intuito de convencer a população para que se mobilize contra o projeto, criticado, entre outras, pela derrubada de uma série de árvores no trajeto da obra, algumas, inclusive centenárias.

Carona – Quem esteve no local do protesto pegando uma carona no movimento foi o pré-candidato a presidente da República, Guilherme Boulos (PSOL). Boulos gravou um vídeo onde apelou para que o prefeito ACM Neto dialogue com a sociedade sobre o projeto. A resposta veio rápido e por meio de uma nota em que a Prefeitura acusa os manifestantes de invadirem os canteiros de obras do BRT.

O texto afirma também que a ação “demonstra o caráter partidário e eleitoreiro”, e que “não é pacífica ou democrática, já que se trata de ocupação irregular de uma área pública em obras”.

A administração municipal não fugiu à regra [quando se trata de lidar com movimentos de caráter social] e informou que já acionou a polícia para retirar os militantes. Bem ao estilo do ACM original, Neto retou e, ao invés de diálogo,  pode sobrar o cassetete democrático para os opositores do BRT.