Mais conhecido como Paulo Preto, ele estava solto desde o último dia (11) após ter habeas corpus concedido pelo ministro do STF , Gilmar Mendes.

Preto havia sido preso por suspeitas de desvios nas obras do Rodoanel Sul, Jacu Pêssego e Nova Marginal Tietê, em São Paulo. Preto também é suspeito de participar de desvio de recursos públicos durante obras do governo tucano, entre os anos de 2009 e 2011.