O deputado federal João Carlos Bacelar, presidente estadual do Podemos (antigo PTN), tem um sério problema para resolver depois que o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) rejeitou a prestação de contas relativa a 2015 e, por esse motivo, a legenda foi punida com a suspensão dos recursos do Fundo Partidário pelo período de um mês.

De acordo com processo relatado pelo juiz Freddy Pitta Lima, o diretório baiano do Podemos recebeu recursos de origem não identificada, comprometendo a “integralidade e confiabilidade” do balanço financeiro. Também foi determinado que a legenda devolva aproximadamente R$ 6,8 mil ao Tesouro Nacional.

Os responsáveis pelas contas da sigla são o deputado federal João Carlos Bacelar e Antônio Carlos de Moura Santos.