Na manhã dessa terça-feira (15), quando compareceu ao fórum da cidade para participar de uma audiência, o ex-prefeito de Santo Amaro, no Recôncavo da Bahia, Ricardo Machado (PT), recebeu ordem de prisão em cumprimento a um mandado de prisão preventiva que estava em aberto, expedido pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJ-BA), no último dia 3 de maio.

O petista, que esteve “desaparecido” por 12 dias e era considerado foragido pela Justiça, foi preso pela segunda vez em cinco meses. Ele já havia sido detido em dezembro do ano passado, mas foi solto após habeas corpus concedido sete dias depois. O ex-prefeito foi um dos alvos da Operação Adsumus, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) no ano passado.

Ele é suspeito de fazer parte de um esquema que desviou mais de R$ 20 milhões, entre os anos de 2013 e 2016, quando era gestor da prefeitura. Outros integrantes do antigo primeiro escalão da prefeitura foram alvos da PF e do MP. A Justiça Federal também determinou o bloqueio de R$ 38 milhões de todos os envolvidos, entre dinheiro, imóveis e veículos.

O advogado Gamil Fopel, que defende o ex-prefeito, informou, por meio de nota, que o TJ-BA expediu um mandado de prisão ilegal e que já entrou com novo pedido de habeas corpus, alegando que o seu cliente se apresentou espontaneamente.

Os envolvidos respondem por crimes de fraude de licitações, superfaturamento, desvios de valores, pagamento de propina em corrupções ativa e passiva, participação de organização criminosa e lavagem de dinheiro.