A novela que se formou em torno da formação da chapa majoritária de Zé Ronaldo (DEM) na disputa pelo governo do estado está longe de ter um final feliz. Faltando 20 dias para o prazo limite das convenções, estão definidas somente as vagas do próprio Zé Ronaldo e do deputado federal Jutahy Junior (PSDB), que vai concorrer ao Senado.

As outras duas vagas seguem indefinidas e sem aparentar um horizonte de definição pacífica num curto prazo. O principal impasse fica por conta do deputado federal Irmão Lázaro (PSC), que quer disputar o Senado, mas é barrado por Jutahy.

Na vice, o desejo é que uma mulher ocupe o posto. Contudo, faltam nomes. Taíssa Gama (PTB), filha do deputado federal Benito Gama (PTB), é uma das possibilidades. A vereadora Lorena Brandão (PSC) também.

Mais recentemente, líderes da oposição passaram a considerar o nome da vereadora de Serrinha Edylene Ferreira, presidente licenciada da União dos Vereadores da Bahia (UVB).

Sem Lázaro, surge o nome do vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM) que, a aliados, já disse que não quer entrar na jogada. Os principais articulares seguem atuando para convencer Jutahy a mudar de ideia. O tucano segue irredutível e o tempo, inimigo de Zé Ronaldo, é o melhor amigo do governador Rui Costa (PT).