Redação G8 News
jornalismo@g8news.com.br

 

Durante a Operação ‘Cui Bono?’, a Polícia Federal concluiu que há “indícios suficientes” de que o presidente Michel Temer (MDB) avalizou a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (MDB), que atualmente está preso na sede da PF, em Curitiba. O chefe do Palácio do Planalto, no entanto, é apenas citado no texto e não foi indicado porque detém foro privilegiado. Para a PF, Temer incentivou a manutenção de pagamentos ilegítimos a Eduardo Cunha, pelo dono da JBS, Joesley Batista.

No acordo de colaboração premiada, o Joesley afirmou ter feito pagamentos de R$ 5 milhões após a prisão de Cunha como saldo da propina de R$ 20 milhões relacionada à desoneração tributária do setor do frango. Ao ouvir do executivo sobre os pagamentos, Temer teria dito: “Tem que manter isso, viu?”.