Os humoristas Marcius Melhem, Fábio Porchat e Bruno Mazzeo estiveram no Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã de quinta-feira, 7, para tratar de liberdade de expressão, humor e eleições. A conversa aconteceu com o ministro Alexandre de Moraes, relator de ação que derrubou, em 2010, trecho de lei que proibia programas que “degradem e ridicularizem” candidatos nos três meses que antecedem as eleições.

A ação volta à pauta do Supremo na próxima quarta-feira, 13, quando a Corte julgará definitivamente o processo, podendo manter a proibição suspensa ou colocar a lei em vigor, que, além de candidatos, abrange partidos e coligações.

“A eleição é o assunto mais importante do ano, o assunto que a sociedade precisa receber informações. O humor tem a função de levantar o debate público sobre aquelas pessoas e aquele momento político da vida brasileira”, afirmou o ator e roteirista Marcius Melhem após a audiência com o ministro, para quem falaram sobre a necessidade dos dispositivos da lei não voltarem à ativa.

“Uma das formas de chamar atenção para um assunto é rir dele, tirar sarro, brincando. Humor não conclui, mas tem liberdade de levantar as questões”, disse Porchat, apresentador de TV, ator e um dos criadores da produtora ‘Porta dos Fundos’, citando Chico Anysio.  Estadão