Na corda bamba desde que foi reeleito, por conta de uma série de ações judiciais, o prefeito de Cairu, no Baixo-Sul baiano, Fernando Brito (PSD), aguarda para os próximos dias o julgamento de mais  um processo severo que tem contra si.

Trata-se de uma ação de investigação movida pelo MInistério Público Eleitoral (MPE) para apurar despesas ilegais com publicidade em ano de eleições, cuja sentença o juíz Leonardo Rulian Custódio , da 31ª Zona Eleitoral de Valença, deve proferir a qualquer momento.

De acordo com o Blog do Pelegrini, este processo (nº 856-62.2016.6.05.0031) é a espinha na garganta de Brito e sua condenação é tida como certa por experientes advogados que atuam no campo eleitoral, uma vez que a defesa não apresentou nos autos documentos que autorizassem os elevados gastos com publicidade no ano de 2016.

Segundo apurou o MPE, a Prefeitura de Cairu gastou 83% a mais nesse período que no ano anterior e sem autorização da Justiça Eleitoral ou do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), descumprindo a Lei n.º 9.504/97 que dispõe sobre condutas vedadas aos agentes públicos no período anterior ao pleito.

Nesta ação existe a possibilidade da cassação do prefeito e a convocação de novas eleições. Mesmo cabendo recurso após a sentença, no meio jurídico local a previsão é de que Fernando Brito, possivelmente, está com os dias contados na cadeira de gestor.