O racha na oposição provocado pela saída de PSC, PTB e SD do chapão proporcional aumentou, ainda mais, o otimismo entre os líderes dos partidos aliados ao governador Rui Costa (PT). A razão é simples: com a oposição dividida, os governistas devem eleger bancadas mais numerosas na Assembleia e na Câmara dos Deputados.

Para o Congresso, a expectativa é que os aliados de Rui elegessem entre 24 e 26 deputados. Agora, com o novo cenário, podem chegar até a 28 das 39 cadeiras reservadas para a Bahia na Câmara.

Na Assembleia, a previsão era que fossem eleitos entre 43 e 44 parlamentares, número que agora pode chegar a pelo menos 46. O enfraquecimento do grupo da oposição é reconhecido pelos próprios integrantes do bloco.

Com o racha da oposição, o DEM de Zé Ronaldo deve coligar apenas com PRB e PV. PSC, PTB e SD vão se juntar ao PPL. Antes, PHS e PPS já haviam comunicado a saída para coligar com PSL e PRTB na proporcional, mantendo o apoio a Zé Ronaldo.

O PSDB, por sua vez, deve sair sozinho para a disputa. Tucanos e democratas foram os mais insatisfeitos com a rebelião do PSC, considerado traidor do grupo. A avaliação é que, com a separação, o grupo da oposição fica enfraquecido. Eles acreditam que elegeriam bancadas mais fortes unidos num único chapão.

Rui Costa, Otto Alencar (PSD), João Leão (PP) e companhia agradecem.